Ambiente mental e produtividade

Todos nós realizamos inúmeras atividades diariamente. Seja no trabalho, seja em casa, seja na faculdade. Sempre estamos correndo para fazer algo. Trocar a água do cachorro, responder ao e-mail da empresa, terminar a leitura do livro atual. Enfim, atividades não nos faltam. E, acompanhando todas essas atividades, existe a motivação. Ou a falta dela.

Muitas vezes adiamos ou deixamos de fazer boa parte dessas tarefas simplesmente pelo fato de não termos motivação suficiente. E a maior parte dessa falta de motivação está relacionada ao ambiente.

Sim, o ambiente

Acontece que o ambiente em que nos encontramos possui grande influência com relação às nossas atividades e nossos estímulos.  E com ambiente eu não quero dizer apenas o físico, como nossa casa, local de trabalho, faculdade ou clubes. Mas também o nosso círculo de amizades, sites que acessamos, livros que lemos e vídeos aos quais assistimos. A mistura de tudo isso resulta em algo que eu chamo de ambiente mental.

O nosso ambiente mental talvez seja o elemento mais importante quando nos referimos a desenvolvimento pessoal, produtividade, criação de conteúdo ou qualquer outro tópico relacionado. Em outras palavras, todos os nossos resultados relacionados a essas áreas são apenas o reflexo do nosso ambiente mental.

Quantas vezes você já se sentiu extremamente motivado a fazer algo logo após ter lido uma frase motivacional ou assistido a um vídeo com a mesma proposição? Aposto que muitas vezes. O problema é que essa sensação não dura muito. E é justamente aí que o ambiente mental entra em ação.

Usando o ambiente mental a seu favor

Suponhamos que você queira ler 50 livros este ano. Se você manter o seu ambiente mental fora da literatura, a chance de você atingir essa meta é mínima. Por outro lado, se em vez disso você se encontrar ao redor de pessoas que leem bastante, essa chance aumenta consideravelmente. O mesmo se aplica para todos os outros segmentos do ambiente: sites acessados, círculo de amizades, vídeos assistidos, etc. Estar envolvido com pessoas que leem bastante é um estímulo para ler. Acessar sites e assistir a vídeos sobre literatura são outros estímulos, bem como conversar com amigos sobre livros e participar de grupos de leitura.

Agora imagine você em um ambiente completamente diferente. Onde o assunto principal seja ─ digamos ─ academia. Eu não quero dizer que academia é algo ruim. No entanto, ter a academia como assunto principal do seu dia a dia está longe de ser um estímulo para você concluir os 50 livros desejados.

O ambiente mental está presente em exatamente todas as áreas da nossa vida. Basta substituir a meta de “ler 50 livros este ano” por qualquer outra, como “aprender um idioma novo este ano”. Nesse novo cenário, imagine você em um ambiente mental voltado para o estudo de idiomas. Acessando sites sobre idiomas, estando envolvido com pessoas que estudam idiomas. O mais legal disso tudo é que você pode moldar o seu ambiente de acordo com suas necessidades.

Evitando ambientes mentais negativos

Da mesma maneira que frases e vídeos podem nos motivar, a falta de estímulos causa o efeito contrário. Por esse motivo, é muito importante prestarmos atenção a tudo que está ao nosso redor. Se você é uma pessoa que lê bastante, não seria interessante passar a maior parte do tempo com pessoas que não leem. Se você estuda muito, se envolver com pessoas que não gostam de estudar seria um desestímulo imenso. Passar muito tempo próximo de pessoas com objetivos muito diferentes dos seus pode lhe distanciar dos seus próprios objetivos.

Utilizando-se do ambiente mental você pode atingir todas as suas metas com muito mais facilidade. Observe o que pode estar lhe afastando dos seus objetivos. Afaste-se do que lhe afasta. Construa um ambiente mental favorável e note como os seus resultados mudarão para melhor. O barco se movimenta muito mais rápido quando segue a direção do vento.

Compartilhe este artigo:

Natural de Salvador, Manlei Santeoni tem 25 anos de idade, é apaixonado por literatura, filosofia e uma boa música. Escreve para a internet há alguns anos e é aficionado por cadernos ─ onde a maioria de seus textos é iniciada. Junto com sua paixão pela música e pela natureza, Santeoni também é contador de histórias, e seu primeiro livro a ser publicado já está em produção. Adicionada a tudo isso está a sua alta estima pela Língua Portuguesa ─ principalmente quando bem falada e bem escrita.