A nociva Zona de Conforto e suas implicações

Experimentar algo novo pode parecer uma tarefa aterrorizante. Para a maioria das pessoas, sair da zona de conforto é sempre um momento de grande estresse. Desenvolver uma nova habilidade, trocar de emprego, mudar de cidade; todas essas possibilidades assustam boa parte da população.

Mas quais os benefícios que podemos encontrar ao sairmos da zona de conforto? Vale a pena desprender um determinado esforço para encarar essas e outras mudanças? É o que veremos neste artigo.

Zona de conforto

Na maioria das vezes, sair da zona de conforto significa embarcar em uma jornada incerta de mudanças que podem causar impactos na nossa vida. Mas, afinal, o que é a zona de conforto?

De acordo com a Wikipedia, “na psicologia, a zona de conforto é uma série de ações, pensamentos e/ou comportamentos que uma pessoa está acostumada a ter e que não causam nenhum tipo de medo, ansiedade ou risco”. Tudo bem, parece algo positivo. Afinal, qual o problema em manter comportamentos, ações e pensamentos que não nos causam risco? Não seria uma atitude inteligente se conservar distante do perigo e de situações desagradáveis?

Bom, na prática, sim. Porém, esse tipo de comportamento dificilmente nos levará a algum lugar. Explicarei por quê.

Ao infinito e além

Michael John Bobak, um artista visual e compositor americano, se tornou mundialmente conhecido pela seguinte frase: “Todo progresso acontece fora da zona de conforto”. T. Harv Eker, empresário e autor do livro Os Segredos da Mente Milionária, diz, neste mesmo livro: “Se você não dedicar o empenho necessário para sair da zona de conforto, sua vida continuará exatamente do jeito que está, para sempre”.

O segundo trecho, é claro, está parafraseado. De todo jeito, a ideia está bem clara. E nada parece mais verdadeiro que estas duas citações. Se você pretende seguir com o seu estilo de vida presente, provavelmente não precisará fazer nada, apenas continuar com seus hábitos e atividades atuais.

Porém, se você pretende mudar algo, o caminho é apenas um: sair da zona de conforto, ir além.

Resistência inicial

Medo

O medo pode ser o nosso maior vilão quando tocamos neste assunto. Ele pode nos impedir de conquistar tudo que podemos ter de melhor para nossa vida. Quando pensamos em dar um passo grande e sair da zona de conforto, o medo é o primeiro personagem que entra em contato conosco, podendo afetar diretamente nossa decisão. Junto com a incerteza, o medo pode nos distanciar dos nossos maiores êxitos.

Acomodação

Outra personagem que nos atrapalha nessas grandes decisões é a acomodação. Como mencionado acima, todo progresso só existe fora da zona de conforto. A nossa situação atual tende a ser nossa zona de conforto, pois não precisamos fazer nada para mudá-la ─ o que não significa, necessariamente, que esta situação é confortável. De mãos dadas com a acomodação está a preguiça ─ ou marasmo, desanimo, moleza, inércia; como preferir ─, criando um laço de amizade inseparável.

Benefícios encontrados além

Sobre a nociva Zona de Conforto

Resistência contra a Leitura Digital

Eu fui relutante a aderir a leitura digital durante muito tempo. Sempre fui fã dos livros físicos, bem como sempre gostei de possuir muitos. A leitura digital pareceria uma ameaça contra esses gostos e hábitos. E eu achava que nunca gostaria de tal experiência.

Até Julho de 2016 eu nunca tinha lido nenhum livro digital, em nenhum dispositivo. Porém, uma necessidade surgiu. Um livro que eu precisava ler até o final desse mesmo mês só estava disponível em formato digital; não consegui encontrá-lo em nenhuma livraria. Foi assim que li O Apanhador no Campo de Centeio, de J.D. Salinger, no aplicativo Kindle, pelo celular.

Inicialmente, foi um pouco diferente, mas não demorei para passar a gostar. A experiência de leitura deste primeiro e-book foi excelente, e logo comecei a querer ler outros, também no aplicativo. E foi assim que minha resistência contra os livros digitais foi desconstruída.

Hoje, com menos de um ano depois, não só passei a ler mais digitalmente como também comprei um dispositivo de leitura, o Kindle ─ que foi uma das melhores compras que fiz até o atual momento. Em breve escreverei aqui no blog um artigo sobre o Kindle e toda sua excelente funcionalidade.

Voltando ao assunto principal, toda essa mudança foi proporcionada por uma pequena atitude: uma saída rápida da zona de conforto. Atitude que, com efeito, só me trouxe benefícios. Atualmente eu leio muito mais, e continuo comprando e lendo livros físicos, bem como tomando emprestado nas bibliotecas. Nesse caso, sair da zona de conforto foi totalmente benéfico.

Los Hermanos, música e novos estilos

Sempre quando toco no assunto zona de conforto, a primeira coisa que me vem na cabeça é Los Hermanos. Se você, como os ursos, esteve hibernando nos últimos vinte anos e não sabe quem são eles, uma rápida pesquisa no Google poderá lhe ajudar.

Muitas pessoas comentavam bastante sobre Los Hermanos, e durante muito tempo eu nunca dei atenção a nenhum esses comentários. Eu imaginava que era uma banda que não me agradaria, mas vai saber por quê. Por conta disso, sempre evitei escutar as músicas deles.

Até que um dia, durante uma viagem com meu primo, ele resolveu colocar Los Hermanos para tocar, no carro. Inicialmente eu não sabia quem eram os artistas, mas o som me chamou atenção. Quando fiquei sabendo que eram eles, uma exclamação se firmou na minha cabeça, que permaneceu até voltarmos de viagem.

Chegando em casa, finalmente pude conhecer melhor as músicas da banda. Acabei me impressionando com a qualidade deles. Fato que rapidamente fez com que eu me tornasse fã de carteirinha.

Hoje eu posso dizer que Los Hermanos é uma das minhas bandas favoritas ─ entre nacionais e internacionais. Ademais, não hesitaria em afirmar que o nível musical deles é altíssimo, o que os iguala com grandes artistas internacionais.

E, mais uma vez, tudo isso proporcionado por mais uma saída da zona de conforto. Este exemplo vale para todo o cenário musical e também para filmes, livros e relacionamentos.

Implicações

Em um rio, antes das águas desfrutarem da calmaria após a cachoeira, elas precisam enfrentar a queda. O mesmo vale para nossa vida. As pessoas mais bem sucedidas são as que sempre estão dispostas a sair da zona de conforto.

Eu poderia citar vários outros exemplos, mas, acredito que com apenas estes acima não será tarefa difícil para você imaginar as possibilidades relacionadas ao assunto. Caso deseje sair da zona de conforto, você pode começar com pequenas atitudes, como ligar para um amigo antigo, dizer não, iniciar o estudo de um novo instrumento, etc. Depois, não terá dificuldade para enfrentar as mudanças maiores, como trocar de emprego, mudar de endereço, ter um filho, viajar, dentre outras.

Então, quando você decidirá sair da zona de conforto e passar a adquirir conquistas relevantes? Por que não neste exato momento?

Compartilhe este artigo:

Natural de Salvador, Manlei Santeoni tem 25 anos de idade, é apaixonado por literatura, filosofia e uma boa música. Escreve para a internet há alguns anos e é aficionado por cadernos ─ onde a maioria de seus textos é iniciada. Junto com sua paixão pela música e pela natureza, Santeoni também é contador de histórias, e seu primeiro livro a ser publicado já está em produção. Adicionada a tudo isso está a sua alta estima pela Língua Portuguesa ─ principalmente quando bem falada e bem escrita.

Site Footer